Gastão, o primeiro prefeito

O carioca Gastão Câmara Leal foi o primeiro prefeito eleito de Taubaté (1908 a 1915). Em seu governo construiu o novo prédio do mercado municipal e o campo do E. C. Taubaté, na Praça Monsenhor Silva Barros, e canalizou os córregos do Convento Velho e do Saguiru. Foi um dos fundadores da Associação Artística e Literária e o primeiro presidente do Taubaté.

Gastão da Câmara Leal (acervo Prefeitura Municipal de Taubaté)

Anízio Ortiz Monteiro

Dentista e fazendeiro, Anízio Ortiz Monteiro foi prefeito nomeado de outubro de 1932 a novembro de 1933. No período, construiu, aproveitando o caminho velho existente, a primeira ligação rodoviária entre Taubaté e o porto de Ubatuba.

Anízio Ortiz Monteiro (Acervo PMT)

Álvaro Marcondes de Mattos

Álvaro Marcondes de Mattos foi prefeito nomeado de agosto de 1938 a julho de 1941. No cargo fez reforma no serviço de abastecimento de água e na rede de esgotos, construiu estradas municipais e desapropriou e doou ao Estado o terreno do 5º Batalhão da Polícia Militar. Também presidiu e foi conselheiro do Esporte Clube Taubaté e fez parte da mesa da Irmandade de Misericórdia.

Álvaro Marcondes de Mattos (Acervo PMT)

Jaurés Guisard

Foi prefeito em três ocasiões: 1947 (entre abril e maio), de 1956 a 1959 e de 1964 a 1969. Como chefe do executivo, inaugurou a era dos asfaltos e a construção de arranha-céus na cidade, criou o ginásio municipal e a escola de música e artes plásticas, sancionou a lei que criava o IPMT (Instituto de Previdência do Município) e urbanizou a Praça Santa Terezinha. Foi também vereador, deputado estadual e diretor da CTI.

Jaurès Guisard (Acervo PMT)

Mão dupla

Sem nunca ter sido prefeito, o Cel. José Benedito Marcondes de Mattos foi chefe do executivo de Taubaté no começo do século 20. Ele comandou a cidade quando a Câmara Municipal detinha os poderes Legislativo e Executivo.  Considerado um dos políticos mais influentes de sua época, tem duas vias com o seu nome na cidade. Uma no centro e outra no Distrito de Quiririm.

José Benedicto Marcondes de Mattos (Almanak Illustrado 1904)