Jaurés Guisard colocou a vida em risco nas primeiras partidas do E. C. Taubaté transmitidas pelo rádio 

Ameaça a vida, violência e vandalismo eram riscos cotidianos que os jornalistas esportivos taubateanos estavam sujeitos na década de 1940.

Assim lembra Jaurés Guisard, o primeiro repórter esportivo de Taubaté, numa gravação raríssima que faz parte do trabalho “A História da Rádio em Taubaté” de Robison Baroni Jr.

Antes de atuar como  parlamentar e prefeito de Taubaté, Jaurés construiu uma carreira profissional CTI, empresa de seu tio.

Sua atuação na Rádio Difusora que originalmente pertencia a CTI, colaborou para que a emissora se firmasse na preferência dos taubateano. Coube a Jaurés transmitir os primeiros jogos  irradiados do E. C. Taubaté.

Os tempos eram outros e o jornalista esportivo não era uma atividade segura.

Conta ele que, ao chegar a uma cidade distante, a equipe da rádio foi abordada pior dois senhores com revolveres na cintura.

-Olha moço, você aqui deve irradiar com toda a precisão, de acordo com o que nós queremos, por que senão, senão…

Jaurés lembra que naquela época ele já era meio “valentinho” e resolveu peitar as ameaças:

-Nós vamos irradiar o que nós sentimos.

Qual não foi a surpresa da equipe que dois minutos depois, machados derrubavam os improvisados postes de eucalipto,fundamentais para a transmissões daquele jogo pela difusora.

 

Curta o Almanaque Urupês no FacebookYoutubeInstagram Twitter para acompanhar o nosso trabalho.