Há uns 150 anos, se um rico quisesse água em casa, mandaria seus serviçais enfrentarem a fila no chafariz.

Uma pessoa mais modesta recorreria aos serviços dos aguadeiros, uns malandros que abasteciam seus barris nos chafarizes públicos e vendiam a água pelas ruas da cidade.

Mas, se você pertencesse ao povão, teria que esperar todos esses folgados abastecerem antes de sair com sua lata d’água na cabeça.

Deu para perceber que os chafarizes  apresentavam problemas. Piorando o quadro, as águas dos rios e ribeirões estavam cada vez mais poluídas. A varíola obrigava vários moradores a sumirem da cidade. As condições de higiene em Taubaté era precárias.

Nos anos seguintes, os vereadores encomendaram estudos para a criação de um sistema mais eficiente para abastecer uma população com sede. Nunca havia dinheiro suficiente para as obras.

Só em 1884 é que surge o plano que proporcionaria pela primeira vez aos taubateanos, desfrutarem água encanada em casa.

 

Curta o Almanaque Urupês no FacebookYoutubeInstagram Twitter para acompanhar o nosso trabalho.